Search
Close this search box.

Descoberta bactérias que podem converter composto natural em ouro de 24 quilates

Numa reviravolta inesperada que funde a ciência da microbiologia e a criatividade da arte eletrônica, dois pesquisadores da Universidade de Michigan revelaram uma descoberta surpreendente.

Uma bactéria que converte compostos naturais em ouro de 24 quilates

Foi graças a um estudo realizado pelo professor Kazem Kashefi, especialista em microbiologia, e Adam Brown, professor associado de arte eletrônica na universidade americana, que desvendaram os mistérios de uma bactéria única capaz de converter compostos naturais em 24 quilates de ouro.

youtube video id=NEHwCC4xqKg

Esse cruzamento incomum de disciplinas promete revolucionar a nossa compreensão da natureza e das suas surpreendentes capacidades.

Cupriavidus metallidurans, a bactéria dourada descoberta

Sob o nome de Cupriavidus metallidurans, esta bactéria tem cativado a comunidade científica pela sua excepcional capacidade de catalisar a transformação de compostos naturais comuns em ouro puro.

Esse processo em que a matéria é convertida em ouro de 24 quilates é conhecido como “alquimia microbiana”.

A equipe de pesquisa, composta por microbiologistas e artistas, explorou os meandros deste fenômeno único, que desafia as convenções científicas e abre as portas a aplicações inexploradas nos campos da ciência e da arte.

O estudo dos dois professores americanos detalha o intrigante processo pelo qual Cupriavidus metallidurans realiza esse feito, digamos, surpreendente.

As bactérias utilizam enzimas especializadas para decompor os compostos naturais circundantes, libertando partículas de ouro numa espécie de balé elegante de minúsculos micróbios. Esse processo, para além da sua relevância científica, tem inspirado pesquisadores a explorar novas formas de expressão artística que captem a beleza da microbiologia.

Uma gama de aplicações se abre para a ciência e a arte

Após esta descoberta, uma infinidade de aplicações se abre para a vida moderna. Na ciência, a capacidade do Cupriavidus metallidurans de sintetizar ouro poderia transformar a forma como abordamos a mineração e a fabricação de materiais avançados.

Além disso, a fusão da microbiologia e da arte eletrônica poderá dar origem a novas formas de expressão artística que transcendem as fronteiras entre a ciência e a criatividade.

Desafios e considerações éticas

À medida que aumenta o entusiasmo com essa descoberta, os pesquisadores e a sociedade em geral também enfrentam uma infinidade de desafios éticos e práticos.

E o que está claro é que devemos garantir uma gestão adequada da aplicação desta bactéria em ambientes naturais e a consideração das implicações ambientais, que são cruciais para garantir que este fenômeno não tenha efeitos nocivos nos ecossistemas que nos rodeiam. A natureza, mais uma vez, demonstra a sua incrível capacidade de nos surpreender e desafiar as nossas expectativas.

 

Fonte: https://www.tempo.com/noticias/actualidade/descobrimos-bacterias-que-podem-converter-composto-natural-em-ouro-de-24-quilates.html

Compartilhar publicação

Facebook
Twitter
Email
LinkedIn
WhatsApp

Deixe seu comentário

Compartilhar

Sobre a SSCDT

Nosso grupo de pesquisa está situado em Farmanguinhos e atualmente é o maior laboratório farmacêutico oficial vinculado ao Ministério da Saúde. Farmanguinhos produz mais de um bilhão de medicamentos por ano para os programas estratégicos do Governo Federal, além de atender demandas emergenciais no Brasil e no exterior.

posts Recentes